Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Desenvolvimento Econômico recebe cônsul-geral da China para articular novos negócios

Embora as transações comerciais entre Brasil e China tenham se aproximado dos US$ 100 bilhões em 2018, a fração que corresponde ao Nordeste é de apenas US$ 3 bilhões. E, no caso de Pernambuco, alcança pouco mais de US$ 363 milhões, sendo apenas US$ 5 milhões em exportações. Para buscar formas de impulsionar negócios entre o Estado e o país asiático, a Comissão de Desenvolvimento Econômico da Alepe recebeu, nesta quarta (19), a visita da cônsul-geral da China no Recife, Yan Yuqing, e do cônsul comercial, Shao Weitong. Yan registrou que, nos últimos três anos, a China tem sido o maior parceiro comercial do Brasil. Além disso, possui investimentos na ordem de US$ 70 bilhões e contabiliza cerca de 300 empresas no território brasileiro. Ela ressaltou que, diante do conflito comercial com os Estados Unidos, o país asiático considera importante fortalecer o comércio multilateral. A diplomata considerou “um bom sinal” a conversa por telefone, na terça (18), entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping, e a reunião marcada entre os dois. E comentou ainda a visita do vice-presidente brasileiro Hamilton Mourão à China, em maio. Ao avaliar as oportunidades de negócios com Estados do Nordeste, Yan destacou a presença, na região, de terminais portuários, recursos minerais, produtos agrícolas e destinos turísticos. Lamentou, no entanto, que, no caso de Pernambuco, não haja parcerias como as do Porto de São Luís (MA), do consórcio South Atlantic Inter Link ou para a exploração das energias eólica e solar. A China é, segundo ela, apenas o 28º destino das exportações de Pernambuco e a quarta origem das importações. “A potência da cooperação entre Pernambuco e China ainda não está completamente explorada. Falta o suporte de projetos sólidos. Este Estado é rico em energia eólica e solar, em recursos agrícolas e possui o Porto de Suape e o parque tecnológico Porto Digital. E se mantém como um centro de comércio, indústria, serviço e transporte para a região”, enfatizou. “Gostaríamos de promover a cooperação nestas áreas, e também em infraestrutura, cultura e educação. Queremos apresentar o forró e o frevo para os chineses”, emendou ela, que também destacou a importância do Instituto Confúcio, da Universidade de Pernambuco (UPE). Presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, o deputado Delegado Erick Lessa (PP) frisou que, a convite da cônsul, o deputado Romero Sales Filho (PTB) representará o colegiado em uma visita a China no final de junho. “A gente quer cada vez mais promover essa interlocução e parceria. A Alepe pode ajudar na articulação com os empresários pernambucanos”, assinalou. No encontro, o deputado João Paulo (PCdoB) propôs a aproximação entre Pernambuco e a associação de empresários chineses que hoje atua em São Paulo e Rio de Janeiro. Sales Filho considerou a Ferrovia Transnordestina “uma grande esperança” para aumentar o interesse dos empresários em investir em Pernambuco. Já Dulcicleide Amorim (PT) avaliou que a produção de frutas e vinhos do Vale do São Francisco “só tem a ganhar a partir da parceria” com o país asiático. Ainda durante a reunião, a última do primeiro semestre, 18 projetos de lei foram distribuídos para relatoria. E, a pedido da deputada Ducicleide Amorim, duas audiências públicas foram marcadas para o segundo semestre. Em agosto, será realizado um encontro para discutir os preços abusivos de combustíveis, a distribuição de etanol para os postos de gasolina e a possibilidade de privatização das refinarias da Petrobrás. No mês de setembro, a situação das companhias aéreas, o aumento no valor da passagens para Petrolina (Sertão do São Francisco) e os prejuízos para o turismo serão tema de outro debate.  
19/06/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia